S5 Corporate Response - шаблон joomla Книги
Noticias
  • Cadastrar

subnotificação desemprego

Dados do seguro-desemprego apontam que mais de 5 milhões de trabalhadores formais já foram afetados pela crise decorrente da pandemia de coronavírus

São Paulo – Em função da falta e da demora na realização de testes, os números reais de mortos e infectados pelo novo coronavírus, no Brasil, são muito maiores do que aqueles apresentados pelas estatísticas oficiais. O mesmo vem ocorrendo com os índices que medem o desemprego. Desde o início do ano, o governo não divulga os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), atribuindo às empresas a falta de informações prestadas.

Na falta dos dados oficiais, os números do seguro-desemprego apontam pelo menos 5 milhões de trabalhadores formais que tiveram seus empregos afetados desde o início da pandemia. Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, pelo menos 1 milhão de pessoas foram demitidas. Outros 4,3 milhões de trabalhadores formais tiveram o contrato suspenso ou jornadas e salários reduzidos por até três meses.

Para o diretor técnico do Dieese, Fausto Augusto Junior, mesmo os dados do seguro-desemprego podem estar subestimados. E apontam para a falta de ação devida do Estado no combate aos efeitos econômicos da pandemia. Segundo ele, a estabilidade no emprego durante a crise foi garantida apenas formalmente. Na prática, as empresas continuam demitindo, pagando a multa estabelecida pela Medida Provisória (MP) 936.

Tempestade perfeita

O avanço no número de mortos pela covid-19, somado aos seus efeitos econômicos, agravados ainda pela crise política alimentada pelo próprio governo Bolsonaro, configuram uma “tempestade perfeita”. As principais vítimas do desastre são os trabalhadores informais e os que ganham menos.

“Do ponto de vista bem objetivo, estamos perdendo pessoas, que estão morrendo, e estamos destruindo empregos. E, muito provavelmente, a gente comece a ver a destruição de empresas. Se o Estado não se mover, no sentido de mitigar minimamente as perdas em relação à pandemia, esse cenário pode se agravar”, disse Fausto ao jornalista Glauco Faria, para o Jornal Brasil Atual, nesta quarta-feira (29).

Apagão

O diretor do Dieese afirma que o “apagão estatístico” sobre desemprego pode dar a falsa sensação de que o problema não existe. Quando vier à tona plenamente, pode ser muito tarde para agir. É também uma característica do governo Bolsonaro, que ignora dados científicos para, assim, poder criar as suas próprias realidades alternativas, segundo Fausto.

 

Fonte: Rede Brasil Atual, 29/04/2020

 
 

Curta nossa página no Facebook

 
 Logo stiau vetor vermelho com  nome1

 

O STIAU respeita a propriedade intelectual. As matérias reproduzidas neste site foram publicadas originalmente na Internet ou em veículos de imprensa. Caso haja alguma reclamação sobre violação de direito autoral, relativa às matérias ou imagens usadas neste site, favor Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. , para que as mesmas sejam retiradas ou lhes sejam conferidos os respectivos créditos.


 

Cadastre-se

Receba informações sindicais direto em seu e-mail

Zapzap com telefone

Logos face com texto

 

NOSSOS HORÁRIOS DE ATENDIMENTO:

Segunda-feira à Sexta-feira, das 08:00h às 11:00h - das 13:00 às 18:00h

CONTATO

Fone/Fax:
(34) 3236-2223

E-mail:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ENDEREÇO:

Rua Benjamim Constant, 529
Bairro N. Sra. Aparecida
Uberlândia - Minas Gerais
CEP 38400-678
Brasil