S5 Corporate Response - шаблон joomla Книги
Noticias
  • Cadastrar

industria alimentos

A CNTA (Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação e Afins) e a Contac-CUT (Confederação Brasileira dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação) enviaram ofícios ao Governo Federal, solicitando a participação das entidades, na elaboração de protocolos governamentais para o trabalho seguro no setor da Alimentação, em tempos de Coronavírus.

Os ministérios da Economia, Agricultura e Saúde veem trabalhando na construção de dois protocolos neste sentido – um para as atividades essenciais e outro direcionado aos frigoríficos. Para a CNTA, a participação da representação nacional dos trabalhadores é imprescindível.

“No passado, atuamos de forma importante na elaboração da NR (Norma Regulamentadora) 36, que rege o trabalho no setor de proteína animal. Só com nosso conhecimento, e as informações dos trabalhadores, a consolidação destas normas se dará de forma séria”, apontou o presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo.

Os ofícios foram enviados ao ministro da Economia, Paulo Guedes, à ministra da Agricultura, Tereza Cristina e ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Neles, as entidades citam o compromisso já obtido junto à BRF e ao Grupo Três Corações, com regras para o funcionamento seguro das indústrias.

A linha-de-frente ocupada pelos trabalhadores na pandemia foi argumento levantado, para justificar a participação da categoria na elaboração dos protocolos. “É crescente o número de infecções nos diversos setores da Alimentação, sem uma preocupação efetiva da indústria com a contabilização dos casos”, emendou Artur Bueno.

REGRAS

No documento, as entidades pedem a redução do efetivo presente nas linhas de produção. “É preciso reduzir em 50% esta ocupação, sem redução salarial, criando dois turnos de seis horas, ou três turnos de quatro horas”, apontou Camargo. O afastamento dos empregados pertencentes ao grupo de risco também foi citado.

Uma estabilidade de 12 meses para os trabalhadores infectados é outro item reivindicado, bem como o pagamento de um adicional de insalubridade entre 20% e 40% a todos os empregados, por conta do caráter essencial do setor. Além disso, um seguro no valor de 50 salários mínimos, pago às famílias de todos os trabalhadores que morrerem devido à Covid-19.

Também no rol de sugestões, regras de segurança no transporte de trabalhadores, bem como o oferecimento de máscaras e produtos de higiene, além do distanciamento de 2 metros entre os empregados na área interna da empresa. Para finalizar, a criação de comitês tripartite (empresa, trabalhador, governo) nas empresas, para a fiscalização das normas.


Fonte: CNTA, 01/06/2020

 

Curta nossa página no Facebook

 
 Logo stiau vetor vermelho com  nome1

 

O STIAU respeita a propriedade intelectual. As matérias reproduzidas neste site foram publicadas originalmente na Internet ou em veículos de imprensa. Caso haja alguma reclamação sobre violação de direito autoral, relativa às matérias ou imagens usadas neste site, favor Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. , para que as mesmas sejam retiradas ou lhes sejam conferidos os respectivos créditos.


 

Cadastre-se

Receba informações sindicais direto em seu e-mail

Zapzap com telefone

Logos face com texto

 

NOSSOS HORÁRIOS DE ATENDIMENTO:

Segunda-feira à Sexta-feira, das 08:00h às 11:00h - das 13:00 às 18:00h

CONTATO

Fone/Fax:
(34) 3236-2223

E-mail:
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

ENDEREÇO:

Rua Benjamim Constant, 529
Bairro N. Sra. Aparecida
Uberlândia - Minas Gerais
CEP 38400-678
Brasil